SinopseO que é o verdadeiro amor?
Para Eduardo, de 17 anos, é a mãe e o irmão mais velho, Simão. Este, porém, tem um segredo que o empurra para a bebida e Eduardo receia que o seu irmão se suicide, tal como o pai de ambos o fizera, dez anos antes.
Júlia acredita que passou ao lado de um grande amor. Em busca da verdade que mudará a sua vida, regressa à vila de Apúlia para reconstruir um passado de que não se consegue recordar.
O caminho desta mulher perturbada está prestes a cruzar-se com o de Eduardo, trazendo à tona segredos, paixões agressivas e remorsos intemporais, com consequências devastadoras sobre a vida da outrora pacata vila piscatória.
Uma alegoria moderna de um clássico, onde os humanos se destroem sem precisarem de intervenção divina.

Opinião: Em primeiro lugar tenho de agradecer à autora, Andreia Ferreira por, muito gentilmente, ter disponibilizado o seu livro e apesar de ter conhecimento dos seu livros anteriores, Maresia e Fortuna marca a minha estreia com a autora e foi um estalo na minha reticência a novos autores. Enquanto leitora fiquei muito impressionada.

(Continua)

Mareia e Fortuna possui um cenário muito próprio - uma vila piscatória, pequena, onde as pessoas não são estranhas umas às outras e onde os segredos são difíceis de manter dentro de quatro paredes. À semelhança do que aconteceu com a minha leitura anterior, Rebel of the Sands, as descrições colocaram-me directamente em Apúlia. Não houve falhas no setting da história e, por isso, a autora está de parabéns, pois conseguia imaginar-me na praia, sentir o cheiro dos cafés e o vento das noites de verão.
Maresia e Fortuna possui dois pontos de vista (POV) diferentes: Júlia e Eduardo. E aqui a autora fez um belíssimo trabalho na construção das duas vozes. Penso que mesmo sem os títulos identificativos,  as duas vozes eram facilmente diferenciadas de tal modo que eram diferentes - o que é requerido - e, embora tenha conseguido apreciar o POV de Júlia, achei o POV de Eduardo muito mais forte, muito mais tangível e relacionável. Havia uma verdade sem falhas por detrás das suas acções e dos seus pensamentos que apreciei. Maresia e Fortuna é um livro que afecta o psicológico e que obriga o leitor a entrar em negação, questionando a sua leitura mais do que uma vez e Eduardo acaba de certa forma por ser a âncora que mantém o mundo à tona e que impede o leitor de ficar embrenhado nas dúvidas e na loucura.
Uma das poucas falhas que senti, algo que para mim quebrou o ritmo da leitura, foi o diálogo. O que eu gosto de ver numa história são diálogos reais, palavras faladas em voz alta que não soam demasiado pomposas e muitas das vezes os autores perdem-se nas metáforas e nas expressões mais floreadas. Isto não aconteceu durante a totalidade do livro, apenas numa interação médico-paciente mas que foi o suficiente para regressar à vida real e deixar Apúlia. O meu amor por essa interação também não foi o maior, pois sendo da área da saúde tenho tendência a duvidar da veracidade das questões e dos gestos, nomeadamente a pressão do dinheiro na forma de interagir com o paciente.
Ainda assim, Andreia Ferreira criou um livro ousado, cujo ritmo não é estático e que provoca novas emoções - uma mais forte do que a anterior - à medida que as páginas avançam. A autora criou igualmente um ambiente que é uma incógnita e é fácil para o leitor deixar-se levar pelo mistério que rodeia a pequena vila piscatória. Baseado numa tragédia grega, Maresia e Fortuna é uma história que intriga e que está bem construída e que faz sentido, não havendo realmente pontas soltas, com personagens complexos e com um tom muito próprio.
Recomendo para aqueles que não têm medo de ser surpreendidos! 

Um apuliense não cai das rochas.


Deixe um comentário

Tens uma opinião? 3,2,1 GO